Publicidade

terça-feira, 4 de maio de 2010

Conto - A VIDA DE LAURA

Laura era uma mocinha de olhos azuis, cabelo claro, muito orgulhosa e trabalhadora. Gostava de tudo, mas como era pobre, não podia ter muito.
Vivia com seus pais: Joaquim e Maria e cinco irmãos. Trabalhavam na terra, a ceifar, a lavrar, etc..., e ainda tinham que cuidar das cinco vaquinhas que tinham. Laura ficou a cuidar do pai e das cinco vaquinhas até que tiveram que vender as vacas e Laura empregou-se numa fábrica de tabaco.
O tempo foi passando e Laura já tinha vinte e oito anos e nunca tinha namorado ninguém e isso preocupava o seu pai velhinho e doente. Ele tinha um amigo viúvo, com sessenta anos, chamado José Narciso, era um homem rico já tinha ido à América, tinha dinheiro e algumas propriedades. Joaquim achava que ele era um bom homem para a filha. Falou nisso a José Narciso e é claro, ele concordou logo, ficando contentíssimo por ter uma esposa tão nova. Mas Laura não gostou nada da ideia de seu pai, mas para não o contrariar, já que ele estava doente e muito velhinho, aceitou.
Daí alguns meses, Laura casou com José Narciso deixando o seu pai na casa de Francisca, irmã de Laura. Um mês depois, ele morreu.
Laura viveu o seu casamento muito angustiada, não gostava do seu marido e ele brigava muito com ela.
Nove meses depois, nasceu um filho chamado Joãozinho. Quando ele tinha 4 anos seu pai morreu, Laura ficou a cuidar do filho. Foi morar com sua irmã Francisca. E perto da casa dela, vivia um viúvo, Chico Valadão, que não tinha filhos. Mas estragava o dinheiro todo que lhe aparecia. Apaixonou-se por Laura e casaram.
laura tinha algum dinheiro e algumas terras que o falecido marido deixara para o filho Joãozinho.
Mas Chico começou logo a fazer negócios mal feitos e Laura teve que vender as propriedades do filho e dar dinheiro para pagar as dívidas de Chico. Ela teve que ir trabalhar com dois filhos pequenos. O Joãozinho começou também a trabalhar muito cedo, pois o Padrasto era mau para ele e nem o deixava ir à escola, para que trabalhasse na Lavoura que eles tinham. Enquanto o filho de Chico não fazia nada, só brincava e ia para a escola.
Joãozinho era o escravo analfabeto, trabalhava em casa de um lavrador rico e à tarde era na Lavoura de seu Padrasto. Levantava-se cedo, ia tirar o leite das vacas, enquanto o Chico ficava na cama. Depois de vender o leite é que ia para o seu trablho mudar o gado e cultivar a terra do rico Agricultor.
Laura sofria com tudo isto, mas não podia fazer nada. Joãozinho apanhava muita chuva, secava a roupa no corpo. Quando já chegou a jovem, dezanove ou vinte anos, adoeceu, mas tratou-se e ficou bom.
Aos vinte e quatro anos, casou, mas seu Padrasto não lhe queria dar dinheiro e o Joãozinho arranjou um emprego na fábrica de tabaco e então, aí, guardou algum dinheiro que ia dando para viver com a esposa.
Chico Valadão vivia com dois filhos e a esposa. Mas o filho António foi para o Ultramar, servir a tropa durante quatro anos. Enquanto António esteve fora, o seu pai morreu e Laura ficou sozinha com a filha Margarida.
Trabalharam muito para ganahr dinheiro e preparar o Casamento dos dois filhos.
Ao fim de algum tempo, António chegou do Ultramar e dois meses depois casou. Não ajudou em nada nos preparativos do Casamento. António, depois de casado, é que arranjou emprego e viveu feliz com sua esposa.
Quando Margarida se casou Laura ficou a morar sozinha, fazendo o serviço dde sua casa e cozendo pão para vender. Recebia a sua reforma e ia ajudando a filha que era a mais pobre.
Laura foi vivendo assim em sua casa e em casa de Margarida e teve oito netos e três bisnetas.

1 comentário:

João Poeta disse...

Parabéns pelo conto!
E o Joãozinho não é apenas um nome para piadinhas. Tem as suas estórias tristes também.
Este conto é do tipo que poderia-se dizer: Qualquer semelhança é mera coincidência. Tem muito a ver com realidades.
Tenha uma boa tarde!
Um abraço.
João