Publicidade

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Crónica - CRIANÇAS & ADULTOS

Hoje em dia as crianças pensam de diversas formas em relação aos adultos. Parece que as crianças e os adultos não se dão assim tão bem como era de esperar, há uma grande oposição entre ambos.
Relativamente aos aspectos positivos baseiam-se principalmente na ajuda que os mais velhos lhes dão nos trabalhos da escola e para fazer determinadas tarefas, ensinando-os bastantes coisas, embora a maioria das crianças aprenda muito sozinha e com as outras, surpreendendo-os. Os adultos muitas vezes comportam-se como eles, brincando e isso faz com que os mais novos gostem mais deles por parecerem da sua idade.
Quanto aos aspectos negativos são imensos: algumas crianças acham os adultos mentirosos por não contarem determinadas coisas, algumas íntimas e por aprenderem na escola ou com colegas.
Também acham eles pouco divertidos, distantes e frios, obcecados com o trabalho, exigentes e manipuladores, brincam pouco, têm a mania das limpezas e da arrumação, são chatos e mandões, querem tudo à sua maneira, julgam-se sempre com a razão, refilam de tudo, falam muito alto e dão mais atenção aos amigos que aos filhos.
Quando os mais velhos tentam se impor, lá se vai a sintonia entre as duas partes e há um conflito entre gerações.
É difícil lidar com as crianças, têm os seus feitios muito especiais e às vezes os adultos perdem a paciência. São chatas, querem também mandar nos adultos e fazem birra, por vezes saem fora da lei e são mal-educadas, mas continuam sendo consideradas mais inocentes do que os adultos.
Gosto bastante de crianças e normalmente dou-me bem com elas, mas existem algumas complicadas, são mimadas, sem higiene e não querem obedecer a quem não é da família, às vezes nem aos pais ouvem. A começarem assim, no futuro serão mal vistas pelo público em geral. É difícil a educação hoje em dia.

COMPUTADORES & INTERNET

Um computador é como se fosse um robot, é programado, através da codificação 0 e 1, para elaborar diversas tarefas.
É composto por software e hardware. O primeiro não é palpável, mas apenas visível, porque existe através de programas com linguagens informáticas, sendo chamado também de sistema operativo. O hardware é qualquer utensílio que compõe o computador, também apelidado de periférico, alguns são de entrada como o rato, o teclado, as drives de cds, dvds e disquetes, o microfone, o scanner, o modem, as portas USB, a placa de som, a placa de video; outros são de saída como o monitor, as drives, as colunas, a impressora, as portas USB e o modem.
O computador possui uma memória viva (RAM) e outra morta (ROM), que tem alguns Gb. A RAM é volátil e se não guardarmos (no disco C ou na memória RAM) perder-se-á a informação se houver um corte de energia, por isso, existem as memórias secundárias como as bandas magnéticas (que actualmente não existem) evoluíram para disquetes, também já em desuso, agora existem mais CDs-ROMs, embora nos tempos que correm utilizem frequentemente os dvds, os mp4, os mp3, as pens USB e os Ipods.
À medida que os anos foram avançando os softwares evoluíram: já há o Pentium IV; os processadores tornaram-se mais rápidos e menos barulhentos; os monitores mais modernos, estreitos como os televisores plasmas quadrados e sem giga; as torres mostram as drives, os fios e outros componentes de hardware, porque são feitas de plástico; a impressora e o scanner estão juntos sendo chamados de Multifunções; o rato e o teclado não têm fios; os discos C são maiores e alguns são exteriores; há webcam e microfone para se falar no chat ou MSN da Internet.
Estão a escassear os computadores de secretária, pois são trocados pelos portáteis que contém maior espaço no disco C, várias dezenas de Gb e são muito mais práticos, incluem uma bateria e quando a electricidade falhar a informação não se dissipa porque há tempo para a salvar.
A Internet foi uma das grandes invenções em 1969 pelo Bill Gates, a junção de milhares de redes com um protocolo de comunicação usado – World Wide Web ou chamada teia-web – teia de aranha mundial.
A informação encontra-se em sites, é de fácil acesso para quem tem um modem ligado ao microcomputador, acesso telefónico tradicionalmente, um fornecedor de acesso como o SAPO ou a ONI. Actualmente também há a Internet de banda larga, a net-móvel (através das portas USB), a net-cabo (ligada à tv cabo), os pacotes da MEO ou da ZON e o telemóvel.
Nessa rede internacional encontramos de tudo, desde o educativo ao promíscuo, do divertimento ao trabalho; aprende-se muito, conhecem-se imensas pessoas através de certos sites como o hi5, o netlog, o myspace, o facebook, o tagged, o badoo, o twoo e o sonico; fazem-se muitos amigos virtuais, encontram-se amigos ou conhecidos e, alguns, até a alma gémea.
O MSN ou Messenger é o actual chat em que pessoas de todas as idades e sexos falam e passam muito do seu tempo. Dantes havia o MIRC.
Os jogos de computador também distraem e ocupam muitas horas dos jovens, principalmente, tanto online como no Ambiente de Trablho.
Eu gosto muito de navegar na Internet e de utilizar o computador, tirei três cursos de Informática, um tecnológico e outros de iniciação, e acho que ela é essencial nos dias que correm.
Na minha opinião o computador deveria ser a pilhas ou com uma bateria que nunca se descarregasse e do tamanho de um telemóvel, e sempre com acesso à Internet, para ser mais fácil de estarmos com ele e não ser tão cansativo, ou seja, não termos de nos sentar à frente do ecrã horas a fio, o pudermos levar para qualquer lado e estarmos com ele em qualquer sítio.

Sou areia

Sou como um deserto
Secreto
Perdido por aí,
A pensar em ti.

Sou um mar de areia
Perto da galé donde vais aportar.
Sou uma duna numa praia
Longínqua onde nunca vais nadar.
Sou uma areia que quer achar
Um oásis para se afogar.
Sou uma areia a meditar
Como amar uma grande mar,
Se está num deserto
E não há água por perto.

Meu coração tem sede
Precisa da tua vassalagem,
Mas ainda não percebeste,
És a minha miragem.

CRÓNICA - TOURADAS À CORDA

Quando chega o dia 1 de Maio começam as touradas à corda na Ilha Terceira, típicas desta região. Costuma haver nesse dia na freguesia das Fontinhas, no Concelho da Praia da Vitória.
Horas antes da tourada, depois das dez horas da manhã, há no mato, nas praças dos respectivos ganadeiros, corrida de touros ou vacas: são capeados por profissionais chamados de capinhas; costumam lá ir fanáticos das touradas ou turistas. Faz-se churrascos, come-se, bebe-se e ri-se com os amigos até chegar perto da hora dos touros actuarem em determinada localidade. É habitual haver uma excursão, em fila, do mato até ao lugar da tourada.
Começam às dezoito horas e trinta minutos nos primeiros meses, ao chegar ao mês de Agosto iniciam-se trinta minutos antes, em Setembro às dezassete horas e trinta minutos e em Outubro trinta minutos antes.
Para a tourada vão quatro touros puxados pela corda comandada por vários pastores, metade deles a meio da corda e os outros na ponta da corda. É um trabalho difícil que exige esforço e união.
O local onde o touro corre é chamado de arraial. Enquanto o touro vai para o outro lado do arraial passeiam na estrada os pregões – homens a vender gelados em malas que os conservam e outros com dois cestos, um com salgados e outro com doces.
Após a corrida de um touro os pastores trocam a corda deste para outro abrindo uma parte de cima da gaiola. Depois de correrem dois touros há um intervalo de cerca de meia hora em que os pastores vão petiscar qualquer coisa. Durante esse tempo, além dos pregões, podem-se ver, em algumas freguesias, a filarmónica a desfilar. Estas touradas demoram cerca de duas horas e meia.
Têm dias que vêm do mato touros puros, ou seja, touros novos que nunca correram numa tourada à corda. Costumam berrar ao correr, caem na estrada e cansam-se facilmente, tal como os mais velhos.
As touradas terminam a 15 de Outubro. É frequente ser na freguesia do Porto Judeu, no concelho de Angra do Heroísmo.
São divertidas estas festas da minha ilha, também gosto e sou fã, é um pedaço de tempo que se ocupa fora de casa ao ar livre entre pessoas.
A Ilha de São Miguel está a aderir a esta festa, foram para lá em 2008 touros da nossa ilha e também capinhas.

DESAPARECEU

1.
Nunca pensei que a vida
Fosse capaz de fugir.
Sinto-me perdida
Sem um sinal de ti.

Lutei e procurei
Por entre a multidão
Os teus vestígios
De desespero no olhar,
A tua brisa neblina
Arrancada nas origens
Matinais impostas
Pelo resumo do dia.

Quero te ver na cidade,
No campo ou na aldeia,
Contar-te a verdade
Do amor que tenho na ideia.

Só que tu não apareces,
Ainda não vieste para aqui,
Estás na distância
Das 24 horas angustiadas…

Não quero me queixar,
Mas tenho que desabafar
Os meus infortúnios
Aos meus amigos únicos:

- Papel, estou triste,
Eu, para ele, não existo,
O amor que sinto,
Aos olhos dele é esquisito.

Nada posso esperar
De quem foge a sete pés
De quem o quer amar
E desaparece sem rasto.

Não posso continuar
Assim, neste estado,
Terei que procurar
Alguém mais acertado...

Ele desapareceu do mapa
Como o continente da Atlântida
E deixou-me na esperança
De sarar uma ferida.

Não sei se conseguirei
Encontrar outra pessoa,
Está tudo escolhido.

Não me digas que não procurei
Porque é à toa,
Já perdi muito tempo com isso.

Não vou procurar
Amado,
Mas esperar
Que ele dê por mim.
Não quero mais sofrer
Amores impossíveis
E não correspondidos.

Se a vida é assim
- A viver na esperança –
Quero ter essa herança
E esperar a virtude
De dar de caras
Com o homem
Da minha vida…

Decidi não procurar o amor:
Se ele quiser que me encontre...

2.
Continuo na esperança
A esperar na aventura
Dum lugar, um desejo
De sentir a loucura
Da vida salgada.

Sua majestade floresceu
Os desígnios de Deus.
A miragem renasceu
Da água brilhante e suja.
Tudo é mais que tudo
Na imensidade da luta
Embriagada do amor
Cheio de encanto e dor.

O coração aperta
Sem jeito.
Uma ferida aberta
Fere-me o peito.

Já esqueci quem sou
E o que faço aqui.
O homem que amo
Foi-se embora,
Desapareceu do mapa
E não sobrou nada.

Já não sei quem sou,
Perdi a noção de tudo,
Não há aves a voar
Nem perguntas para fazer,
O rio corre a bom correr
E há um arrepio
De frio que me faz
Estremecer na paz
Da ternura branca
Da mansidão da saudade.

As borboletas estão belas
A voar pelo ar fora
Em busca da recusa
Das flores, e do sol,
Para as amar mais
E nelas ter gosto de pousar.
As ervas saem
Dos jardins e das terras,
Vêm furar as pedras.

Entro no meu barco
E apanho um avião
Que foge para longe
Sem esperar ter
Uma vontade realizada.

Verão de 2006

PARA TI

A pintura
Que o céu faz com o mar
É uma moldura
Que eu vou-te dar.

A paisagem da natureza
É de grande beleza,
Não a vou desperdiçar,
A ti vou entregar.

NÃO SEI O TEU NOME

Nem sequer sei o teu nome,
Mas o meu coração te chama.
Fico à espera do meu sonho
Navegar com mais calma
E adormeço a pensar em ti,
Sem nenhuma resposta
Concreta do teu amor,
Dos teus sentimentos por mim.

Luto por ouvir a tua voz
Num canto qualquer,
Não a conheço, mas pressinto
Que pertence ao teu ser…

Só peço a Deus que não penses mal
Desta rapariga que te adora
Muito, muito e que te ama agora,
Sem sentir a tua presença,
Implorando pela tua atenção
Com o coração na mão.

2006/2008

AUSÊNCIA

Eu sem ti não encontro o amor,
Perco todos os meus sentimentos,
Encontro depressa a dor
Ficando presa nos meus tormentos.

Este vazio de dentro é meu inimigo,
Aquece-me e dá-me medo,
Nada se torna igual contigo
Porque és firme como um rochedo.

Sinto o coração a doer
E não sei como reagir,
De ti tenho de me esconder
Para não voltar a cair.

SEI

Sei que vai acontecer:
Nós os dois juntos num só olhar.
Só poderei viver
Quando de novo te encontrar.

Sei que vai adormecer,
No espaço profundo do teu ser,
A vida que quero ter
E que deixarei passar ao te ver.

Sei que vou merecer
Um dia te amar sem fim
E que vou morrer
Nas profundezas de um jardim.

Sei que vou querer
Uma vez mais sentir
A sensação do prazer
Que já vi e deixei partir.

ALTOS & BAIXOS

Os horizontes tornaram-se pequenos,
As montanhas ascenderam ao céu,
A brisa ficou a sentir-se menos
E a temperatura desceu.

O avião voou e foi para baixo,
O barco subiu sempre a maré,
O sol fez brilhar um cacho
E eu comi-o de pé.

PARA ALGUNS

Para alguns a mulher é "atirada"
Se der o primeiro passo
E para outros, se não o fizer
É porque não sabe o que quer...

Vá-se lá entender os homens!
Com idades parecidas
E com pensamentos discrepantes!?
Será que faz sentido?
Influências talvez
De amigos ou da vida.

29 de Abril

NÃO MEREÇO

Não mereço ser só o mar,
Mereço ser o luar
E viver com bem-estar.

Não mereço apanhar,
Mereço ser bem tratada
E não sair magoada.

21 de Dezembro

IMAGINAÇÃO

Debaixo da macieira encontrei
A virtude da vida
E logo depois imaginei
Que estava perdida.

A imaginação
Prega-nos partidas
E o nosso coração
Fica com feridas.

Só com muita força de vontade
Se consegue ultrapassar as confusões
E eu sinto que a verdade
É dura demais para as multidões.

30 de Agosto

PRESENÇA

Há uma básica presença
Na Rádio Renascença
A flutuar como vaga-lume
Na brisa do teu queixume.

Há uma leve doença
A preparar uma imensa
Multidão como lume
Marcado com o teu perfume.

6 de Dezembro

CONFISSÃO

Achei-te tão belo,
Belo como o sorriso.
Não to disse, pois não é preciso,
O meu olhar já mostrou.

Se gostas do meu cabelo
Diz que eu ficarei contente,
Não te escondas de repente,
Pois eu sou o teu amor.

12 de Dezembro

quinta-feira, 29 de abril de 2010

FOLHA VAZIA

Escrevi uma folha vazia
Porque os sentimentos
Não os sentia.

Estou tão cega
Que só vejo
A solidão que chega.

21 de Abril

SE EU...

Se eu encontrasse
O amor da minha vida
Tinha mais alegria,
Dava uma saída
E vivia em harmonia.

Se eu plantasse
Uma flor agora
De certeza murchava,
Pois não chegou a hora
De ter quem amava.

Letra M tem mais força

Desato as sandálias
E perco-Me na Música
Do Desacato iMediato.
Recebo as dálias
E fico Mais rica
Porque o jardiM está eM MiM.
Suspiro com o nenúfar
E respiro a brisa Matinal
Para no fundo ser o Mundo.
Pego eM Mais ar
E espero pelo Manancial
Plantado no MesMo lado.

LIVROS

Hoje em dia existem livros espirituais
Que são guardados na memória,
São parecidos com os virtuais
A que toda a gente tem acesso.

Eles contam histórias de glória,
Aventura, miséria, solidão,
Ruína, amor, loucura, progresso,
Desavença, desgraça e compaixão.

Lemos vidas todos os dias
Nos jornais e na televisão,
Nada nas noites frias
Nos impressiona a feição.

Vê-se de tudo um pouco
Ao passar por este mundo,
O tempo corre como louco
E ainda não vimos tudo.